terça-feira, 18 de abril de 2017

Os dias eram assim, ou, não, os dias não eram assim.


Que preguiça a série da Globo "Assim eram os dias". Começa com o personagem cantando Deus lhe Pague quase dois anos antes dela ser composta, até colocar os cenários dos escritórios brasileiros imitando sofisticadas séries inglesas e as casas com leve aspecto vintage, como manda certa estética presente. Pesquisar revistas de decoração da época jamais seria suficiente para orientar um cenógrafo. Aliás, por que não pesquisaram as próprias novelas da rede Globo? Ali estava a estética real das casas e escritórios brasileiros.
A ficção não se presta ao realismo, mas reconstituição de épocas não prescinde desse rigor, não deve ofender a realidade. Um exemplo da irresponsabilidade da pesquisa histórica - o diabo também está nos detalhes - foi inventar batons vermelhos para filhinha contestadora. As contestadoras dessa geração eram aquelas que saiam de cara-lavada, rabo de cavalo, ofendendo o padrão de beleza das mocinhas de família com vestidinhos bordados e batons cor de rosa. O batom, aliás, nesses anos de estética frágil e flutuante, foi banido. A indústria cosmética demorou muito para perceber a importância deste produto em seu faturamento. Depois surge nas ruas, um jovem pichando Abaixo a Ditadura usando um impensável moleton com improvável mochila nas costas. Isso sem considerar as calças de brim largonas - ou eram apertadérrimas (cafona, digamos assim) ou bocas de sino. Ah, em tempo: as pichações Abaixo a Ditadura foram muito comuns dois anos antes. Em 1970 havia um clima de mordaça de outra natureza e não mais as grandes passeatas e correria pelas ruas, menos ainda longos tiroteios que serviram de trilha sonora para o beijo do casal central.
E o máximo que podemos condenscender em relação à bomba caseira atirada no saguão de um edifício no centro da cidade é que tenha sido uma uma alusão ao Orlando Lovecchio. Mas duvido, pois esse jovem que foi vítima, em plena Avenida Paulista, de um atentado a bomba praticado pela guerrilha que atuava contra o regime militar no Brasil, em 1968, ou seja, vítima dos heróis que talvez sejam enaltecidos na série.
Também não é plausível "inaugurar" uma placa Brasil, ame-o ou deixe-o" slogan da era Médice que surgiu aos poucos, como adesivos para carros, penetrando sorrateiramente na mente dos incautos brasileiros que precisavam mesmo é ralar para fazer frente a inflação que os ameaçava com a crise do petróleo. Os cenários e figurinos são vergonhosamente anacrônicos. Só faltou a fotógrafa fazer um selfie da fuga.

Nenhum comentário:

Postar um comentário